Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Jim Knipfel’

Jim Knipfel


Jim Knipfel é um desgraçado. Passou boa parte de sua infância e adolescência preocupando-se em tumultuar a vida dos outros apenas para se divertir com isso. Tentava colocar fogo em prédios, roubava, vandalizava…  Achava bonito ser maloqueiro. Cresceu e deixou de cometer as babaquices de outrora, mas vê (ou quase isso) o mundo e os seres humanos de uma forma extremamente pessimista. Digo ou quase isso porque Knipfel é praticamente cego, não consegue andar na rua sem sua bengala e, ainda assim, vive tropeçando por aí. Beberrão assumido, tentou se matar algumas vezes. Fracassou.

Passou por diversos empregos medonhos até chegar à recepção do jornal New York Press. Como se experimentava às vezes  como escritor, Knipfel resolveu tentar a sorte em uma vaga para jornalista do periódico. Se deu bem. Seu texto ganhou prestigio e, tempo depois, tornou-se colunista. Todas essas histórias – e muitas outras, claro – estão presentes em A arte de ser desagradável, um dos livros de memórias do autor e o único traduzido para o português. Na obra, o escritor também faz questão de exaltar o bairro onde vive com orgulho: o Brooklyn.

Se vive e passa boa parte de sua vida no famoso bairro de Nova Iorque, Knipfel deve conhecer a Brooklyn Brewery. Se não conhece, está perdendo muita coisa. Fundada em 1988, a cervejaria é uma das mais importantes no efervescente cenário de cervejas artesanais dos Estados Unidos. Seu mestre cervejeiro, Garret Oliver, talvez atualmente seja o nome de maior relevância quando o assunto é harmonização entre cerveja e comida.

Garret Oliver

No ano passado, alguns rótulos da Brooklyn chegaram ao Brasil, dentre eles a East India Pale Ale, uma cerveja aromática e com amargor pronunciado, como pede o estilo, que provavelmente agradaria (ou agrada, quem sabe) o paladar de Knipfel.

A India Pale Ale, ou apenas IPA, surgiu na Inglaterra na época das grandes navegações. Como as viagens para a Índia eram muito longas, as cervejas chegavam no país asiático estragadas. A solução para o problema foi acrescentar mais lúpulo as Pale Ale, aumentando o seu tempo de conservação e, conseqüentemente, seu amargor (proveniente do lúpulo).

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: