Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Renato Modernell’

entrevista_desenhoNesses mais de quatro anos de Canto dos Livros, as entrevistas que procuramos fazer mensalmente se tornaram um dos principais diferenciais do blog. Por isso, resolvemos reunir os links de todas as conversas que tivemos com pessoas do meio literário em um só post. Abaixo, trechos de dez delas e, em seguida, uma relação com todos aqueles que já falaram conosco. Para ler uma entrevista na íntegra, basta clicar sobre os nomes dos entrevistados. Divirta-se!

“Perceber o mundo como um morador local o percebe é fundamental para escrever com realismo e convencer o leitor de que ele está entrando num mundo especial, diferente do seu dia-a-dia” – Airton Ortiz

“Adoro o cotidiano mais prosaico, um ponto de ônibus, um sofá com televisão, um almoço qualquer” – Andréa del Fuego

“Por mais interessantes e diferentes que tenham sido as experiências que vivi durante a viagem, tenho escolhido não estacionar em vida nenhuma. Isso não quer dizer viver superficialmente, à deriva, do tipo ‘pra onde me chamar eu vou’. É, na verdade, uma tentativa de se manter aberto, receptivo às novidades” – Antonio Lino

“Toda narrativa pública transporta implicitamente uma visão de mundo, contribuindo ou para manter o grau de consciência do leitor num nível muito baixo de entendimento da realidade, ou ajudando-o a despertar para uma visão transformadora, que não termina no ângulo puramente derrotista, negativista” – Edvaldo Pereira Lima

“Geralmente, há uma esnobação equivocada que cerca a ficção. Eu adoro belos romances, mas a verdade é que genialidade na ficção é rara e a vasta maioria dos autores que se empenha em fazê-lo acaba produzindo uma bobagem banal” – Jeremy Mercer

“A ficção é parte do real, não se opõe a ele; não é o oposto da verdade. A ficção é um modo de se tornar visíveis relações constitutivas do real” – José Luiz Passos

“Sinto que todo escritor sofre de uma hipermetropia: pode enxergar bem a obra dos outros, à distância, mas a sua própria sempre aparece aos seus olhos imprecisa e turva” – Julián Fuks

“Acho que no geral há uma possibilidade razoável de nos próximos anos termos bons livros para ler. No entanto, parece-me que boa parte da produção ainda reproduz – sem criticar ou, ainda pior, aderindo ao que há de pior no Brasil. Digamos que estamos diante, se formos falar no geral, de uma produção amena e edulcorada” – Ricardo Lísias

“O que mais me incomodava, além dos entraves burocráticos, era a minha completa inaptidão para conversar com as pessoas. Às vezes eu ficava em silêncio ao lado de algum entrevistado vendo os ônibus passarem, por puro pânico e falta de perguntas. Isso às vezes era uma vantagem, porque o sujeito acabava falando qualquer coisa que lhe viesse à mente” – Vanessa Barbara

Alex Robinson

Augusto Paim

Bernardo Carvalho

Claudio Brites

Cristina Cezar

Eric Novello

Felipe Pena

Ferréz

F. T. Farah

Lehgau-Z Qarvalho

Marcelo Maluf

Monica Martinez

Nazarethe Fonseca

Nelson Magrini

Paulão de Carvalho

Reinaldo Moraes

Renato Modernell

Tatiana Salem Levy

Xico Sá

Anúncios

Read Full Post »

Clique na imagem para ampliá-la.

Confira aqui a entrevista que fizemos com Renato Modernell.

Read Full Post »

Por Fred Linardi e Rodrigo Casarin

Escritor, jornalista e professor, com mestrado em Jornalismo pela Universidade de São Paulo e doutorado em Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Renato Modernell dedica boa parte de sua carreira às narrativas de viagem, gênero que ensina no próprio Mackenzie e na Academia Brasileira de Jornalismo Literário (ABJL). Autor de Viagem ao pavio da vela, Sonata da última cidade (que levou um Jabuti), Che Bandoneón e Meninos de Netuno, entre outros, publicou recentemente Em trânsito – um ensaio sobre narrativas de viagem. E é exatamente a relação de viajantes com as palavras que norteia o papo abaixo.

Canto dos Livros: O que é uma boa narrativa de viagem?

Renato Modernell: É uma narrativa que revela percursos não apenas no mundo externo, mas também na geografia da alma do viajante.

CC: O que rende uma narrativa de viagem rica? Tempo e dinheiro são barreiras a serem rompidas nesta categoria?

RM: O viajante autêntico estabelece sua própria noção de tempo, que não tem necessariamente a ver com aquele do calendário ou do relógio, mas antes com o ritmo pelo qual ele assimila as coisas que vai encontrando ao longo do caminho.

CC: No Brasil, essas narrativas ainda dependem de ações independentes dos autores para serem realizadas?

RM: Não apenas disso. Há instituições que, vez por outra, dão apoio a projetos que envolvem viagens. É o caso, por exemplo, das conhecidas aventuras marítimas de Amyr Klink. Isso depende muito do tipo de viagem e também da notoriedade da pessoa. Como regra geral, é melhor o repórter viajante tentar custear a viagem por conta própria, porque deste modo ficará mais livre e mais aberto para o que der e vier.

CC: Quais obras dessa modalidade você indica? Por quê?

RM: A última casa de ópio, de Nick Tosches, é um texto cativante e que vai muito além da viagem em si, constituindo uma bela crítica (na verdade, uma sátira) da sociedade consumista em que vivemos. Os anéis de Saturno inaugura um novo modo de observar os fatos, e creio mesmo que seu autor, W. G. Sebald, é uma figura tão importante para a literatura quanto Lars von Trier o é para o cinema. Um adivinho me disse, de Tiziano Terzani, mostra a surpreendente transformação pessoal do viajante ao longo da viagem, e tem também ingredientes romanescos bem trabalhados. Viagem à Itália, de Goethe, é um clássico escrito por um gênio da literatura, e por isso indispensável.

CC: Por que as narrativas de viagem, principalmente as de não ficção, ainda são raras de se encontrar nas livrarias?

RM: Não creio que sejam raras. Ao contrário, tenho visto muita coisa saindo por aí. Podem não ser todas de qualidade, é claro, mas isso é outro assunto. As Modismos como a peregrinação a Santiago de Compostela, por exemplo, ou mais recentemente as incursões à Patagônia, ajudam a divulgar esses lugares, o que é bom, em tese, mas ao mesmo tempo pasteurizam a forma de observá-los, nivelando por baixo, o que é ruim. Mas relatos de viagem são produzidos às pencas. As pessoas viajam e anseiam por contar o que viram, mesmo que seja aquilo que todo mundo já sabe.

CC: Ao seu ver, qual a relação entre narrativas de viagem e o jornalismo literário?

RM: A narrativa de viagem está dentro do campo do jornalismo literário, valendo-se de suas técnicas e de seus pressupostos.

CC: Como está sendo levar as narrativas de viagem para a academia? Como tem sido a aceitação dos colegas? Quais pesquisas você destaca nessa área?

RM: A cada semestre me surpreendo com o número crescente de alunos de jornalismo que se inscrevem na disciplina optativa Narrativas de Viagem, que ministro no Mackenzie. Em agosto deste ano, publiquei “Em trânsito – Um ensaio sobre narrativas de viagem”, pela Editora Mackenzie, mas não conheço outro trabalho congênere. No Brasil, há muito pouca coisa publicada sobre o assunto em termos de reflexão teórica. Mas isso pode mudar nos próximos anos, acredito.

CC: Sua produção em livros é predominantemente ficcional. Após você ter viajado por vários países do globo, a pergunta que fica é: para escrever narrativa de viagens é preciso resistir à tentação de criar um romance?

RM: Uma coisa não elimina a outra. Um certo toque romanesco é bem-vindo em tudo, até num relatório, e na narrativa de viagem mais ainda, já que o viajante, mesmo que não se dê conta disso, é levado a um estado de fabulação inerente à própria viagem. Esta é uma das teses secundárias de meu livro. Um romance, porém, é outra coisa. Trata-se de uma modalidade de escrita muito mais complexa, flexível e profunda. Não basta romancear para se fazer um romance. É preciso atender a um chamado, uma espécie de convocatória, um apelo que parte do próprio livro, ainda inexistente, à espera de um autor.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: